Apple

Descuido ou estratégia?

guess what Digital 8 Setembro, 2016

O lançamento do novo modelo da Apple já muito se fazia esperar, e como todas as novidades gerou bastante expetativa, e até mesmo especulação, por parte dos Apple fans, como seria de esperar e como se tem visto nos últimos anos.

Com a rapidez com que a informação passa nos dias de hoje há uma tendência para uma maior preocupação com aquilo que é partilhado, pois se algo corre mal há sempre a hipótese de ser partilhado massivamente. Mas será que isso manter-se-á uma tendência futura, ou poder-se-á usar esse fator como parte da estratégia para criar buzz propositadamente à volta da marca/produto?

Um bom exemplo – e que tem levantado algumas dúvidas – foi o leak da própria Apple. Ontem antes de Tim Cook anunciar as novidades da marca,  já a conta do Twitter da Apple divulgava um vídeo com todos os novos produtos. O que nos faz pensar, descuido ou parte da estratégia?

Não nos podemos esquecer que no mundo online tudo acontece mais rápido e chega a  muitos mais sítios, através do online conseguimos comunicar com toda a gente de toda parte do mundo.

Será que está para surgir uma nova versão da técnica “falem bem ou falem mal, desde que falem”? Em que a partir deste novo mundo digital a mensagem corre mais rápido e os holofotes apontam, quase imediatamente, para nós e gera- se mais rapidamente o buzz tão desejado? Serão os “descuidos” – os leaks das próprias empresas – uma nova vertente de estratégias digitais ou apenas erros inocentes?

@Mariana Zoio, Digital Trainee

A história atrás do Nome

guess what Publicidade 23 Março, 2015

Alguma vez já parou para pensar porque motivo uma sereia é o símbolo de uma loja de cafés? ou porque maçã é o nome de uma empresa de tecnologias?

O nome de uma empresa é a sua identidade, é o que a define, e por detrás há uma história, uma inspiração, há um trabalho cuidado e nada é ao acaso, por mais estranho que o nome nos possa parecer.

Por exemplo:

Starbucks: Starbuck é uma personagem do romance Moby-Dick, e o nome evoca o romance de alto mar e a tradição marítima dos comerciantes de café.

Lego: Ao contrário do que se pensa, não significa “pequenas peças de tortura para pisar”, mas a combinação das palavras dinamarquesa “leg godt “, que significa ” brincar bem”. Lego também significa “Eu coloquei” em latim, mas a empresa afirma que é apenas uma coincidência.

Google: O nome era originalmente um erro ortográfico involuntário do número googol e porque google.com não estava registado. Googol é pronunciado da mesma forma e é o número 1 seguido de 100 zeros. Reflecte a missão da empresa de organizar a imensa quantidade de informação disponível online.

Facebook: O nome deriva do nome do livro que recém alunos recebiam no inicio no ano lectivo, nas universidades americanas, com o intuito de ajudar os estudantes a conhecerem-se melhor uns aos outros.

Apple: Existem várias teorias desde a referencia bíblica (adão e eva) a Issac Newton, mas a explicação é bem mais simples, maçã era a fruta favorita de Steve Jobs.

Conheça aqui mais histórias de outras marcas tão conhecidas.

@Tânia EspinheiraCreative & Designer Consultant