inovação

Comunicação e Inovação. Dois territórios que andam de braço dado.

guess what Comunicação 19 Dezembro, 2016

É frequente ouvir-se no mundo dos negócios que as empresas mais inovadoras, e por sinal de maior sucesso, criam as necessidades dos clientes com o desenvolvimento de novos produtos para estes. Embora esta afirmação possa parecer razoável e verdadeira, concordo mais que a realidade e o sucesso passa por descobrir as necessidades insatisfeitas – muitas vezes não são evidentes nem estão declaradas – e solucioná-las como nunca feito até esse momento. Dito isto, estou convicto de que as necessidades dos clientes são distintas dos produtos e serviços que efetivamente adquirem para suprir as suas necessidades.

Para as empresas é mais relevante saber o que as pessoas pretendem ou quais as necessidades ainda não completamente satisfeitas do que questioná-las objetivamente sobre as características específicas dos produtos e serviços. Um exemplo concreto: o rolo para pintar uma parede. Poderia ser um pincel, uma trincha, um spray, ou qualquer outro utensílio ainda a ser inventado. A tarefa de pintar uma parede é a verdadeira necessidade, que já existia antes do rolo ser inventado. Por isso, embora os fabricantes deste utensílio não tivessem criado uma nova necessidade, eles conseguiram procura porque desenvolveram algo melhor do que estava inventado e disponível à época. Existem muitos outros casos, como o Walkman, o microondas ou os telemóveis, por exemplo.

A chave para a inovação disruptiva, diferenciação e crescimento das empresas é descobrir as tarefas ainda não satisfeitas na plenitude dos seus clientes e tentar com empenho e determinação uma solução para as mesmas. Se de facto uma nova ideia de produto ou serviço não servir este propósito, é bem provável não ser bem-sucedida. Na sociedade atual, global, informada e onde a esmagadora maioria das pessoas têm baixos recursos económicos, são poucas as pessoas que adquirem produtos ou serviços para os quais não têm uma efetiva necessidade de consumo.

Se a isto juntar uma estratégia de comunicação criativa e integrada, diria que será difícil não obter sucesso. Na minha opinião a inovação e a comunicação são drivers essenciais para o sucesso nos negócios atuais.

Uma grande marca só consegue ser efetivamente grande se conseguir unir em torno dela um conjunto de clientes, seguidores e fãs. Se o produto ou serviço não for bom/útil ou, por outro lado, não comunicar com racionalidade mas também com emoção, não terá a energia e o magnetismo para afirmar-se, crescer e evoluir no seu ciclo de vida. As empresas e as marcas mais saudáveis e pujantes são aquelas que combinam de forma contínua e com mestria programas de inovação e comunicação. De nada valerá ter um excelente produto se não for comunicado ou apregoar que tem “a última Coca-Cola do deserto” quando na prática não passa de mais um produto banal sem qualquer elemento de diferenciação ou disrupção. Não ambicione somente satisfazer as expectativas dos seus clientes, ambicione superá-las com distinção! Boas Festas e um ótimo 2017!

@Renato Póvoas, Managing Partner

Comunicar com Relevância – Projeto Samsung

guess what Comunicação 1 Agosto, 2013

 

As marcas, em primeiro lugar, existem para satisfazer necessidades. Depois, sempre que possível, devem empenhar-se em resolver problemas que afetem a sociedade e as comunidades onde estão inseridas. Ora aqui fica um excelente exemplo disto mesmo, onde a Samsung é a grande protagonista. Um projeto de sucesso com resultados efetivos.   

A Coreia do Sul é um dos países a nível mundial com maior taxa de suicídio. A ponte Mapo, em Seul, é um dos principais locais de suicídio com mais de 100 mortes registadas nos últimos cinco anos. Para minimizar este problema a Samsung (área Seguros) transformou aquele local na “Ponte da Vida”. “Os melhores momentos da sua vida ainda estão para chegar” ou “Veja as pessoas de quem sente saudade” são alguns exemplos de frases inspiradoras e dissuasoras que foram afixadas ao longo de toda a estrutura. Resultado: o número de suicídios caiu 85 por cento.

 

Dentista, siso e marketing digital?

guess what Comunicação, Digital 9 Maio, 2013

A crise instalou-se no país e, sobretudo, agarrou-se que nem um parasita mental ao mindset de empresas, empresários, clientes, consumidores… Enfim, pessoas. E enquanto o mercado se vai contraindo, áreas que tradicionalmente viviam sem grande ligação a práticas de promoção, comunicação e marketing, começam a questionar o que podem fazer para dar a volta ao negócio.

São tempos desafiantes em que o evolucionismo de Darwin, agora aplicado à sobrevivência das empresas enquanto agentes económicos, mostra que a continuidade do negócio está sobretudo dependente da capacidade de adaptação aos novos tempos. Esta adaptação passa pela diferenciação do produto ou serviço, por uma política de preço alinhada com o posicionamento da empresa (mas também com o mercado) e por uma estratégia de comunicação que permita mostrar ao mundo quem somos, o que fazemos e porque somos diferentes, melhores que os concorrentes.

Os consultórios de medicina dentária são um exemplo de uma área que, tanto por motivos regulamentares como culturais, viveu durante muitos anos sem procurar profissionalizar a abordagem de marketing e comunicação. Os mais diversos motivos, certamente também relacionados com a crise e a contração dos mercados, fizeram com que 2012 fosse um ano particularmente negro para esta classe profissional, que perdeu cerca de 40% da sua faturação face ao ano anterior, segundo declarações do Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas. Como podem os dentistas e as clínicas de medicina dentária captar mais clientes neste cenário?

É claro que a resposta não é simples e encerra em si uma multiplicidade de fatores de negócio. De qualquer forma, aqui fica o nosso contributo com algumas ideias-chave no domínio do marketing digital:

  • Dados do Google Trends dizem-nos que existem 135.000 pesquisas mensais da palavra “dentista”;
  • O Digital Agenda Scoreboard (2011), da Comissão Europeia, concluiu que 36% dos utilizadores de Internet procuram ativamente informações na área da saúde;
  • O Global Trust in Advertising Survey (Q3, 2011), da Nielsen, refere que as fontes de informação mais credíveis para os consumidores são (para além das recomendações de pessoas conhecidas), as opiniões de pessoas colocadas online (reviews) e os branded websites;
  • Keywords como “dentista”, “dentes”, “clínica dentária”, “ortodontia” e “implantes dentários” representam um volume de pesquisas nacionais no Google superior a 307.000;

Não será preciso mais para ilustrar a importância do território digital para os consumidores em geral e para os clientes de clínicas dentárias em particular. De que forma estão os dentistas a defender o seu território online e usar estas plataformas (websites, redes sociais, blogs, publicidade nos motores de busca…) para divulgar os seus serviços e captar novos clientes? Em mais de 300 mil pesquisas online por mês destes temas, o potencial não será certamente pequeno. Se você não for a resposta às perguntas do seu target, alguém será… Food for thought!

Mensagens publicitárias: estará mesmo tudo inventado?

guess what Comunicação, Publicidade 7 Maio, 2013

Há décadas que a publicidade cria mensagens direcionadas aos seus públicos-alvo de forma a captar a sua atenção. Nesta campanha, a fundação espanhola Aid to Children and Adolescents at Risk Foundation foi mais longe e combinou no mesmo anúncio uma dupla mensagem, para pequenos e graúdos. O resultado mostra que ao contrário do que muitas vezes se conclui, a publicidade ainda não estagnou – continua a reinventar-se. O vídeo do making of da campanha pode ser visto aqui.

Campanha pela beleza real tem alma portuguesa

guess what Comunicação, Publicidade, Relações Públicas 23 Abril, 2013

Afinal o que é nacional é mesmo bom.

Segundo a “Briefing”, o português Hugo Veiga, copywriter na Ogilvy São Paulo desde 2009, é um dos criadores da “Dove Real Beauty Sketches”, uma campanha global que está a criar um enorme buzz nas redes sociais e é uma forte candidata a um prémio em Cannes.

Temos que “tirar o chapéu” à equipa de marketing da Dove. Apesar de vivermos numa época em que a “imagem perfeita” é quase sempre fruto de intervenções estéticas (já nem as unhas são verdadeiras), há cada vez mais mulheres (e homens) a identificarem-se com o conceito de “beleza real”. A comprová-lo estão os quase 21 milhões de visualizações da versão em inglês do vídeo “Dove Real Beauty Sketches”, que pode ser visto aqui.

Caça ao ovo no Street View

guess what Comunicação, Digital 27 Março, 2013

Temos a certeza que já muitas marcas esconderam ovos da Páscoa nos seus sites, mas a cadeia de supermercados Tesco foi mais longe e escondeu-os no Google Maps. Mais especificamente no Street View. É a verdadeira caça ao ovo digital e além de muitos chocolates (claro) poderão encontrar-se prémios bem apetecíveis! O único senão é que os prémios deste desafio digital não vão além fronteiras, tendo os premiados que residir no Reino Unido. Para os que adoram um desafio mesmo sem receber o prémio, que comece a busca: https://www.tescofindtheeggs.com/.

Primeira edição do Re-Thinking Pharma 2013-2023

É com prazer que anunciamos que fomos a agência de comunicação escolhida para desenvolver a comunicação da primeira edição do evento Re-Thinking Pharma 2013-2023, uma iniciativa direcionada a todos os profissionais da indústria farmacêutica.

O “Re-Thinking Pharma 2013-2023” é um projeto da autoria da Pharmaplanet que pretende constituir-se como a reunião magna anual para Profissionais 
da Indústria Farmacêutica e terá lugar no Hotel Aqualuz em Tróia, nos dias 17 e 18 de Maio de 2013. A organização prevê a participação de 500 participantes, 25% dos quais em funções diretivas na indústria farmacêutica.

As novidades da Guess What

Guess What Comunicação, Digital, Relações Públicas 8 Outubro, 2012

Blog GW

No âmbito da sua política de constante inovação e desenvolvimento, a Guess What apresentou, no passado dia 3, num evento para clientes e parceiros, os seus novos produtos e serviços. No mesmo momento colocámos online o novo website (www.guesswhat.com.pt) onde estão presentes todas as novidades. Em alternativa poderão ler aqui a notícia da Meios & Publicidade.

Agora vou indo, pois o tempo é de continuar a criar.

e-Health Inovação Portugal 2012

Guess What Comunicação 25 Maio, 2012

imagem e-Health

É já no próximo dia 30 de maio (4ªfeira), pelas 11h, no Auditório TMN, em Lisboa, que decorrerá a apresentação do estudo “e-Health Inovação Portugal 2012”. Trata-se do primeiro levantamento nacional dedicado às perceções, atitudes e níveis de literacia tecnológica de profissionais e decisores do sistema de saúde em relação às várias inovações associadas ao e-Health e TI’s relacionadas (TeleHealth, Mobile Health, Telecirurgia, Comunicação e interação com as comunidades, entre outras). A investigação envolveu 1500 profissionais de saúde, entre médicos, farmacêuticos e enfermeiros.

O “e-Health Inovação Portugal 2012” é uma iniciativa desenvolvida pela Guess What PR, cuja investigação foi executada pela Spirituc – Investigação Aplicada e coordenada pelo Prof. Paulo Moreira, Editor-in-Chief do international Journal of Healthcare Management, da Many Publishing de Londres. Não posso deixar de agradecer à Fundação Portugal Telecom (patrocinador); Ordem dos Médicos, Ordem dos Farmacêuticos e Sindicato dos Enfermeiros (apoio institucional) e ainda à Bug (responsável pela fantástica imagem do projeto). A todos eles o meu muito obrigado!

Programa

 

11h|Sessão de Abertura

Raul Mascarenhas – Presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SMPS) – Em representação do Sr. Ministro da Saúde

Renato Póvoas – Guess What PR

 

11h20|Apresentação do estudo e-Health Inovação Portugal 2012

Rui Costa – Spirituc  – Investigação Aplicada

 

11h50|Análise às conclusões do estudo e-Health Inovação Portugal 2012

Paulo Moreira – Escola Nacional de Saúde Pública e Editor-in-Chief do International Journal of Healthcare Management

 

12h10| e-Health: A experiência em Espanha

Adolfo Muñoz Carrero – Especialista e investigador na área da Telemedicina e do e-Health no Institute of Health Carlos III, em Madrid.

Adolfo Muñoz Carrero é investigador da unidade Telemedicine and eHealth (Institute of Health “Carlos III”). Mestrado e Douturamento em engenharia de telecomunicações no Polytechnic University of Madrid, Espanha. Desde 1990 participa em vários projetos de investigação europeus para diversos Programas (RACE, ESPRIT, ACTS, AIM, IST, eTEN, CIP). É representante espanhol na CEN TC251-WG1, participa, entre outros projetos, no desenvolvimento da Norma Europeia das Comunicações EN13606-EHR, é membro do Committee 139 “Health Informatics” of AENOR, a agência de normalização espanhola.

 

12h40|

Perguntas e Respostas

 

13h00|

Encerramento