O ROI de dizer NÃO.

Guess What Comentário à Atualidade 18 Fevereiro, 2019

Desde a escola até ao mundo empresarial, a meu ver é descurado o poder e a importância de dizer NÃO. Existe uma imensurável pressão de quase sempre dizermos que SIM, “Sim, eu sei” ou “Sim, eu faço”, seja por uma pressão social (amigos, colegas de Escola/Faculdade), seja por uma pressão de expectativa de performance profissional.

Parece existir uma linha/área muito ténue, cinzenta e invisível em que dizer NÃO é sinal de incompetência, fracasso e pouca inteligência. Aqui, mais uma vez, as crianças batem os adultos aos pontos, ensinando-lhes mais uma grande lição. Dizem “Não” e perguntam “Porquê”, demonstrando uma vontade e uma curiosidade inata de tudo o que lhes rodeia, simultaneamente aprendendo coisas novas.

Dizer “Nãos“ requer coragem, requer um conhecimento aprofundado de quem somos e o que queremos. Porque só quando sabemos quem somos e o que queremos é que somos capazes de delinear limites, objetivos e desafios (pessoais e profissionais). No fundo, é desenvolver e tornar claro o nosso ADN enquanto ser pensante.

Não dizer não pode colocar em causa o nosso ADN. Aquilo que somos e acreditamos. Falamos de pessoas, como falamos de negócios. Os negócios/empresas devem saber quem são e devem saber quando dizer “Não”. Quantos de nós já não disse não para mera e simplesmente conseguirmos ganhar mais um cliente e fazer mais uns trocos. (mesmo sabendo que logo à partida vai contra o nosso ADN, e existe uma grande probabilidade de termos um ROI negativo).

Não digo que se assemelha a vender a nossa alma ao diabo, mas quase. É pensar o que estamos a violar o ser da Empresa só porque não temos coragem de dizer não, ou só pensamos na recompensa imediata (dinheiro, que por sinal por vezes é pouco). Faz-me lembrar a Experiência do Marshmallow de Walter Mischel, mas neste caso acredito que as repercussões são mais graves do que simplesmente não se receber mais um Marshmallow (ahh! é fácil ser-se criança!)

Ora isto é tudo muito giro, mas claro está que quando se fala em negócios, dinheiro é muito difícil de tomar esta decisão e efetivamente levá-la a cabo. Há contas para pagar, há colaboradores pelos quais somos responsáveis, há objetivos a cumprir. Há situações e situações claro.

No entanto, basta refletir no ROI de dizer Não, e no ROI de dizer Sim. Na maioria das vezes (pelos menos no que tenho testemunhado) o ROI acaba por ser negativo, seja pelo dinheiro que se acaba por ganhar (normalmente Pouco, mas era “importante” na altura), seja pelos recursos que acabaram por ser consumidos (horas excessivas de uma ou mais pessoas a trabalhar em puro frenesim).

É imaginar que acabamos de receber um briefing que era para ontem em que é crucial apresentar uma nova ideia XPTO completamente inovadora amanhã. Neste cenário há duas hipóteses:

1. Diz-se que sim, e põe-se X empregados a trabalhar a mil à hora durante horas extras (Diretas pessoal! E se não fazem diretas é porque não estão comprometidos com o trabalho e são incompetentes!). O resultado final, normalmente acaba por ser medíocre porque obviamente para Missões Impossíveis só com o Tom Cruise.

2. Com o ADN bem definido, e obviamente com os processos minimamente oleados, a empresa diz Não ou define um deadline real de acordo com as suas potencialidades e recursos.

O que é que vocês acham? Está na hora de dizermos mais vezes Não?

Miguel Sousa, Digital Consultant & Ideation Manager