Guess What

Dia do Pai e…

guess what Comunicação, Eventos, publicidade Março 19, 2018 Leave a reply

..aqui fica um ‘cheirinho’ de boas campanhas que se fazem lá fora neste dia. Campanhas cheias de emoção, como pede o dia 19 de março.

#1 – DOVE

A Dove nunca desilude. Aqui vemos as reações dos ‘futuros pais’ quando descobrem, pela primeira vez, que vão educar um novo ser humano. O vídeo está enquadrado numa campanha da Dove #RealStrength, que teve como objetivo mostrar o lado mais emocional e carinhoso dos homens, muitas vezes escondido.

Read More

Jane Walker e a igualdade de género

guess what Sem categoria Fevereiro 28, 2018 Leave a reply

O Dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, serviu de mote para a marca de whisky Johnnie Walker lançar uma nova versão do centenário logótipo “Striding Man”.

A versão feminina Jane Walker representa o compromisso da marca em celebrar o progresso nos Direitos das Mulheres. O logótipo original vai manter-se mas esta alternativa, que estará disponível no mercado norte-americano a partir do início de março, terá como target o público feminino :”Com cada passo, todos avançamos”.

Read More

Design e música… e é Natal!

guess what Design Dezembro 18, 2017 Leave a reply

É comum numa agência de comunicação (e em todo o lado!) encontrar a equipa a trabalhar com fones nos ouvidos. Quem nunca o fez?

Existem muitas razões para trabalhar enquanto se ouve música: desde inspiração, concentração ou mesmo distração… e a verdade é que a música e (especialmente) o design, têm muito em comum:

Read More

Os sovinas da comunicação

guess what Comunicação Novembro 30, 2017 Leave a reply

A comunicação está na ordem do dia. São cada vez mais os que dela usam e, atrevo-me a dizer, abusam, que isto de comunicar tem (ou devia ter) também o seu peso, conta e medida. Mas depois há quem nunca tenha ouvido falar de tal coisa, quem desconheça o significado do conceito e que, talvez por isso, assuma perante este uma sovinice que não envergonharia o próprio Tio Patinhas. Que a poupe de tal forma, tão poupadinha, com medo que, com o uso, a comunicação se possa gastar.

É o que acontece com alguns dos transportes públicos da capital. E não falo das campanhas ou das iniciativas, que essas lá vão sendo conhecidas e divulgadas. Mas de outro tipo de comunicação, tão ou mais importante, que é a que se estabelece – ou devia estabelecer – com os clientes, ou seja, os passageiros. E essa comunicação é muito escassa. E aqui falo com conhecimento de causa, uma vez sou um desses clientes.

No Metro de Lisboa, quem por lá anda sabe que cada dia é um desafio e uma aventura. Entrar nas estações é mergulhar num mundo subterrâneo onde o conceito de comunicação é totalmente desconhecido. De quando em vez lá se ouve a expressão “perturbações na circulação”, que serve para justificar de tudo um pouco, desde avarias, atrasos, acidentes. Existe mesmo uma coisa chamada Carta do Cliente, que deixaria os mais ingénuos e crédulos como, confesso, também eu já fui, esperançosos de que esta coisa da comunicação funcionasse. Nessa Carta, que se encontra afixada em vários locais ao longo das diferentes linhas, consegue mesmo ler-se que cabe ao Metro “disponibilizar de forma percetível e rigorosa, em espaços próprios e através dos diversos suportes de comunicação com o cliente, a informação relevante sobre o serviço prestado, em situações normais ou de perturbação do serviço”. Bonitas palavras, mas que não passam disso mesmo. Na realidade, a comunicação aqui não é uma estrada de dois sentidos, mas uma via única e que normalmente dá acesso a um beco sem saída: vai do cliente, insatisfeito e que se queixa vezes sem conta, para o operador.

Nos comboios da CP, a situação não muda muito. Aqui, a partilha de informação depende das estações: se há umas em que esta existe, noutras a chegada ou partida do próximo comboio, a existência de avarias ou de “constrangimentos”, como lhes chamam, é um mistério bem guardado.

Na era da comunicação, onde o acesso à informação se pode fazer de tantas e tão diferentes formas, será pedir muito aos operadores que comuniquem com os clientes, que os informem sobre o que se passa, que lhes digam os tempos de espera e os esclareçam?

@Carla Mendes, Senior Content Manager

Timing… ou a falta dele

guess what Sem categoria Novembro 21, 2017 Leave a reply

Uma conhecida marca de Donuts decidiu oferecer 36,000 donuts em Londres, através de uma ação com a nova aplicação UberEats.

O “único” problema é que o fez no Dia Mundial da Diabetes, um dia criado pela Organização Mundial de Saúde para consciencializar a população para os problemas causados pela doença.

Durante esse dia #KrispyKreme e #WorldDiabetesDay foram os temas mais falados no Twitter até porque a quantidade de pedidos recebidos em poucos minutos pela marca de donuts através da UberEats provocou um crash na aplicação.

O Fórum Nacional para a Obesidade Britânico considerou “a ideia estúpida e impensada” e a marca já reconheceu o erro de timing da ação.

Free Tip: consultar as efemérides antes de programar algum tipo de ação!

@Sara Martinho, Senior Communication Consultant

37 dias para o Natal e…

guess what publicidade Novembro 17, 2017 Leave a reply

já fomos invadidos pelo espírito natalício!

No mundo da comunicação o Natal já começou há algum tempo, com a preparação de campanhas e estratégias para a época festiva.

Agora começa a “corrida” para a melhor campanha: Qual criará uma ligação emocional com as pessoas? Qual a que trará mais resultados? Qual será a campanha 360º mais inovadora?

Deixo aqui um top 10 internacional com marcas como Marks & Spencer, Mc’Donalds, ALdi, entre outras. E ainda algumas campanhas, transmitidas em Portugal, que podem ser “a campanha” de 2017.

Aguardemos pelo fim do Natal! HO HO HO!

37 dias para o Natal...

@Mariana Zoio, Digital Consultant