O admirável mundo da comunicação em saúde

Guess What Comunicação 18 Junho, 2019

Uma vez alguém me disse: “trabalhar comunicação em saúde ou se ama ou se odeia”. Facto! Trabalhar esta área tem tanto de brutal como de recompensador.  

Brutal, porque nem sempre estamos preparados para o que iremos ouvir e com o que iremos lidar. Não é fácil viver as nossas 8 horas diárias a falar de doenças, sobretudo, quando algumas delas nos assustam verdadeiramente.

Ficamos a saber tudo: sintomas, prognósticos, tratamentos…e tudo isto, por vezes, atinge-nos com um peso, com o qual, obviamente, teremos que saber lidar depois daquele primeiro impacto. Claro que também falamos de prevenção.

Aliás, na maioria das vezes esse é o objetivo, o propósito de toda a campanha de comunicação que construímos. E é aí que surge a recompensa.   

Comunicar saúde é também recompensador, porque estamos a trabalhar um bem precioso – provavelmente o maior que temos. E ajudar as pessoas a entender como poderão assegurar este bem é extraordinário.

Construir uma campanha de comunicação em saúde é, muitas vezes, tocar no coração de alguém, de alguém que irá relacionar-se com aquilo que estamos a comunicar.

Desenhar uma campanha de disease awareness é das coisas que mais gosto me dá fazer no meu trabalho, por tudo o que envolve. E muitas vezes envolve testemunhos, que nos trazem igualmente um misto de emoções.

As histórias reais são muitas vezes fundamentais para impactar o nosso público-alvo. É a doença contada na primeira pessoa, nas palavras simples e emotivas de quem a viveu e que ajudam a criar um elo com quem as ouve.

É impossível para nós, que trabalhamos o tema, conseguirmos por vezes distanciarmo-nos do que ouvimos e não nos deixarmos emocionar com os testemunhos que vamos conhecendo.

Guardo, aliás, com carinho e como inspiração algumas pessoas com quem me fui cruzando ao longo do tempo.

Esta é apenas uma pequena reflexão sobre aquilo que um dia alguém me disse. Haveria muito mais a dizer quando falamos em trabalhar saúde, mas por hoje a conclusão é:

– É bom trabalhar o admirável mundo da comunicação em saúde, onde tanto se aprende, onde por vezes é difícil distanciarmo-nos, mas que com o tempo vamos conseguindo encontrar o equilíbrio necessário. Por isso, só posso concluir que estou no lado dos que amam trabalhar nesta área.

Marta Cerdeiro, Communication Consultant